.mais sobre o GFACR

.pesquisar

 

.Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Batata Quente - Bernardo ...

. Corridas Com Cheiro a Sam...

. Batata Quente - Alberto C...

. Batata Quente -César Nova...

. Batata Quente - Bernardo ...

. Batata Quente - Luís Palh...

. Batata Quente - Tiago Rib...

. Batata Quente - Francisco...

. Batata Quente - Francisco...

. Batata Quente - Guilherme...

.arquivos

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Novembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Quinta-feira, 6 de Abril de 2006

Batata Quente - Rui da Bernarda

Rapaziada,


Em primeiro lugar, quero saudar todos os meus amigos que fazem parte do magnífico GRUPO DE FORCADOS AMADORES DE CALDAS DA RAINHA.


Depois, agradecer (sim, agradecer) ao Fred a oportunidade de agarrar a Batata Quente e de estar em contacto convosco, sem deixar de congratular os criadores deste blog e desta brilhante ideia de unir todos aqueles que, dentro ou fora do Grupo, sejam amantes da festa brava.


No entanto, e já que estou em contacto convosco, quero aproveitar para vos transmitir algumas palavras.


Quero em primeiro lugar partilhar convosco a alegria que sinto enquanto elemento do GFACR. Ser um antigo forcado do Grupo é, antes de mais, um enorme privilégio. Pelos amigos, pelas corridas, pelas noitadas, pelos copos, pelos jantares, (talvez até pelos toiros…) e por todos os momentos inesquecíveis que partilhámos e que nos fazem arrepiar cada vez que pensamos neles.


Depois, quero-vos dizer que por mais tempo que passe, nunca nos podemos esquecer dos momentos em que enfrentamos toiros. Nem nos esquecemos que a vida é como os toiros. Não sabemos o que vai acontecer, nem como, nem quando. Mas se estivermos preparados para tudo o que possa acontecer (física e psicologicamente), o resultado será incomparavelmente melhor.


Também quero dizer que ser um forcado não é só pegar toiros, beber copos e receber palmas, sorrisos e flores. É, acima de tudo, um estado de espírito. Mas não é um estado de espírito momentâneo nem tão pouco mais uma fase da nossa adolescência. É uma lição de vida que nos acompanhará para sempre. Muito importante quando estamos no activo mas não menos importante quando passamos a “elementos antigos”.


Em todos os momentos futuros terá uma importância extrema a Verdade que colocamos em todas as situações, a solidariedade, a lealdade para com os nossos amigos e os nossos princípios, a nossa coragem, a tomada de decisões difíceis, o enfrentar cara-a-cara dos problemas e a amizade, esse sentimento que todos os dias cultivamos e que felizmente nos vai seguir nos bons e maus momentos.


Tenho a certeza que, com o valor dos forcados que estão no activo e com as bases que todos construímos, o nosso Grupo vai continuar a evoluir e a estar ao melhor nível.


Por último, vou passar a Batata Quente a alguém que compreende estas palavras com toda a certeza…o meu amigo Eduardo Mendoça.


Um grande abraço,


Rui da Bernarda

publicado por cid às 23:09

link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De Nuno Morgado a 10 de Abril de 2006 às 21:02
Grande Rui,

Quero dizer que foi sempre um gosto grande contar contigo no nosso Grupo. Pena foi que alguém com tanto jeito como tu para pegar não pudesse pegar mais anos. Estas tuas palavras retratam o que nos é comum e nos mantém ligados a este nosso projecto. É bom sentir que a chama mantém-se intacta. Foi para isto que nos lançámos neste trajecto. Um grande abraço,
Nuno Morgado
De Frazo a 10 de Abril de 2006 às 19:41
Bernardo,
Obrigado pelas tuas palavras. Consciente do sentimento que tens pelo Grupo não é de estranhar a forma como colocas os teus sentimentos, emoções e sensibilidades.
As tuas palavras obrigam a recordar momentos de grande alegria e entusiasmo, impõe uma viagem ao passado em que todos nós estavamos aprender esta arte que agora tentamos transmitir através de palavras e actos.
A tua forma humilde de estar faz de ti um elemento de referência e menção. Obrigado pelo teu testemunho.
Abraços, HFrazão
De bernardo Mendia a 10 de Abril de 2006 às 09:43
O texto do Rui é o tipo de discursos que o Grupo agradece sejam proferidos nos nossos jantares ano após ano. Relembrar as vantagens e beneficios de ser forcado nunca será demais. Até porque a maior parte das vezes são discursos destes que alicerçam as bases e razão de sermos forcados, principalmente qd se é novo e n se passou ainda a uma fase de maturidade em que o que nos faz vestir a jaqueta é, precisamente, comungar destes valores de coragem, amizade e trabalho em equipa. O Rui devia aparecer mais e contar-nos mais vezes por q foi tão bom ser forcado do GFACR.
De Francisco Calado a 8 de Abril de 2006 às 15:50
Olá Rui, estás bom! Acabei de ler agora o teu texto e queria dizer-te que gostei bastante, pois conseguiste transmitir, baseado na tua vivência, uma lição de vida, da presença das pessoas no nosso Grupo. Eu por vezes tenho noção da importância desta nossa passagem quando me deparo com problemas e temos que os enfrentar de frente. Conseguiste mostrar muito facilmente grandes valores e princípios que são criados dentro de nós. Um abraço
De Nuno Vinhais a 8 de Abril de 2006 às 11:25
Rui, quis o destino que quando eu entrasse no Grupo, já não tivesse a oportunidade de te acompanhar dentro de praça. Mas como se pode ver no teu texto, és uma referencia de valores dentro do Grupo. Espero que possas acompanhar ainda mais o nosso Grupo para que a rapaziada mais nova possa aprender com a tua experiencia e que os teus valores sejam transmitidos a 100%.
Grande abraço
De Frederico Casimiro a 7 de Abril de 2006 às 00:22
Grande Rui, já que fui que te passei a batata quente, calha bem ser eu a 1ª pessoa a comentar o teu testemunho. Acho que conseguiste transmitir muito bem as lições de vida e a ajuda preponderante que a nossa experiência como forcados pode trazer ao nosso dia a dia, tanto em termos profissionais como pessoais. Um grande abraço e até breve (possivelmente numa jantarada...) Fred.

Comentar post