.mais sobre o GFACR

.pesquisar

 

.Setembro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. Batata Quente - Bernardo ...

. Corridas Com Cheiro a Sam...

. Batata Quente - Alberto C...

. Batata Quente -César Nova...

. Batata Quente - Bernardo ...

. Batata Quente - Luís Palh...

. Batata Quente - Tiago Rib...

. Batata Quente - Francisco...

. Batata Quente - Francisco...

. Batata Quente - Guilherme...

.arquivos

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Novembro 2004

blogs SAPO

.subscrever feeds

Sexta-feira, 27 de Janeiro de 2006

Do outro lado...

Nota do Editor: há uns dias recebemos no nosso mail um texto de uma amiga de longa data do Grupo. No mail dizia apenas "Só para partilhar..". Depois de ler atentamente o texto decidi publicá-lo neste blog essencialmente por 3 motivos: 1º pela iniciativa, 2º pela qualidade da escrita e pela perspectiva um pouco diferente que nos oferece da vida do GFACR , e 3º para que sirva de incentivo a que mais pessoas ligadas ao Grupo escrevam para este blog que é de todos....


 


Este tempo de defeso acaba por se revelar demasiado longo e as saudades, inevitáveis, acabam por se traduzir numa ansiedade enorme de voltar a ir aos toiros, do contacto com o campo e de tudo o que envolve a Festa…
 
Isto fez-me “espreitar” uns sites taurinos há uns dias atrás, cheia de vontade de saber novidades, ver os cartéis, (que começam a surgir!), estar a par do que se vai passando nesta fase de preparação da próxima temporada…E dei por mim a ler um texto de um repórter taurino que passou um dia na companhia de um grupo de forcados…


No fim do texto, havia uma parte que dizia:


“ Foi assim que passei a tarde, noite, madrugada e resto do dia seguinte com o Grupo…Tenho pena de não conseguir transmitir mais do que consigo escrever, pois passar um dia e viver de perto todas as emoções de um Grupo de Forcados é algo que nunca mais se esquece na vida. Qualquer rapaz que a troco de nada bate as palmas a um toiro e se conforta com um sorriso, com uma flor, ou uma palmada amiga…é algo de belo que não tem explicação…”


Achei estas palavras de uma beleza incrível e reconheci, imediatamente, o sentimento que este repórter tentava transmitir!....


Quando há cerca de 12 anos atrás surgiam, nas Caldas, as primeiras movimentações entre antigos (e na altura alguns ainda actuais) forcados e aficionados para se formar um novo Grupo de Forcados nas Caldas, lembro-me de acompanhar entusiasticamente, (na altura através do meu pai), o desenrolar daquele projecto! Nessa altura, os “velhotes” do Grupo, (como carinhosamente são chamados), eram “miúdos” cheios de vontade de pegar toiros e de aprender o que isso era!...


As coisas mudaram…Esses “miúdos” cresceram; entraram novos elementos no Grupo; uns já se retiraram; continuam a aparecer caras novas; os cabos mudam…Enfim, o rumo natural de um Grupo…E mudou também a forma como eu vejo e acompanho o Grupo!...Se antes ia às corridas pela mão do pai e assistia, da bancada, à prestação de pessoas que conhecia, mas com quem, (sendo um pouco mais velhas do que eu), não tinha outro tipo de relação para além de os conhecer através do meu pai, de há muitos anos para cá, quem está lá dentro, muitas vezes, são alguns dos meus melhores amigos…


E é aí que eu digo que as coisas mudam...


É difícil ficar indiferente a alguém que se entrega de corpo e alma ao toiro e aos sete amigos com quem se salta à arena…Só mesmo quem nunca viveu de perto essas emoções pode não entender ou não dar valor. Não sei o que se sente quando se pega um toiro!...Foram inúmeras as descrições que me foram feitas por pessoas tão diferentes; de gerações, Grupos e de vivências tão distintas, (até porque cada um sente as coisas à sua maneira), mas, por melhor que seja a descrição, o sentimento, esse, é impossível ter!… Só quem é forcado tem esse privilégio!...


Mas também há um lado fascinante e intenso para quem não pega toiros!...
Quando digo que “reconheci” o sentimento que o tal repórter tentava transmitir, digo-o porque partilho das mesmas palavras. Realmente “passar um dia e viver de perto todas as emoções de um Grupo de Forcados é algo que nunca mais se esquece na vida”!!! Não me refiro aos jantares, às noites prolongadas, de festa, depois de uma corrida…Isso é tudo muito bonito e não se esquece, mas não é o mais importante, apenas um complemento que surge por acréscimo!



A partilha dos momentos de alegria e dos menos bons; o nervoso miudinho que antecede cada corrida; a ansiedade quando, na arena, as coisas não estão a correr como todos desejaríamos; o alívio quando tudo se resolve e a pega é consumada com sucesso e a alegria quando tudo corre bem, isso sim, é, para mim, o que fica guardado para sempre… 


Gosto sempre daqueles dias de corrida, em que se sai cedíssimo; (“alguém” se perde no caminho!); ao chegar, se ocupa por completo o “Café Central”; toda a gente se concentra junto ao local da fardamenta; se fala do peso dos toiros; como irão sair; quem sairá à cara; o que é que o Cabo terá dito lá dentro para eles saírem cá para fora com estas caras…Toda a envolvente…Gosto mesmo!!


E todos esses momentos nos prendem muito mais e nos fazem, não só entender melhor o que cada forcado sente, como, também, cria em cada um de nós uma forma muito especial de viver a Festa!
Quando, com o passar do tempo, comecei a acompanhar mais de perto o G.F.A.C.R., fi-lo, pelos meus amigos!...Muito mais do que a afición que sempre tive, deixar de apenas assistir à corrida, para passar a estar presente nas fardamentas, nos jantares, nos treinos e noutros momentos do Grupo, deve-se ao facto de que, com o tempo, os elementos que se fardavam, que muito provavelmente iriam pegar…eram os meus amigos!


Claro que uma coisa leva a outra e quando se está presente nestes momentos tão especiais, acabamos por estar envolvidos por tudo o que se passa com o Grupo e a amizade acaba por se alastrar aos amigos dos nossos amigos e acaba por se sofrer por todos quantos estão “lᔠdentro!...
Também na bancada se sofre! E é impossível não sofrer pela mãe, irmã, mulher, namorada, que está ao nosso lado!! É contagiante...E se, como disse há pouco, é impossível ficar indiferente a quem dá tudo o que tem, muito mais nos toca quando se trata de pessoas que nos são próximas…


Mas se é interessante este tipo de convivência em dia de corrida, tudo se torna mais interessante e fascinante quando a isto se soma as idas aos treinos (ver as apostas do Cabo e as “revelações” que surgem, acompanhar a evolução de cada elemento…); as conversas sérias que surgem nas ditas noites de festa, após a corrida, em que muitas vezes, em conversa com alguns elementos, acabo em saudáveis “discussões” pelos diferentes pontos de vista da análise da corrida…


Quando se vive de perto estes momentos, garanto-vos que, por mais simpatia que se tenha pelos Forcados em geral, sente-se um carinho muito especial por este Grupo!


De tal forma que, mesmo quando não é possível estar presente, não nos esquecemos do dia de corrida e tem que haver sempre os ditos telefonemas antes, durante (às vezes em directo!) e depois da corrida! É sempre pior quando não se está presente…E se, de alguma maneira, quem está de fora pode dar o seu contributo, pelo menos o apoio, o estar lá (principalmente nas piores alturas) e a vontade enorme de que tudo corra pelo melhor, está garantido! (Ainda hoje acho que, quando a 20 de Agosto do ano passado, em Colónia, no Encontro Mundial da Juventude, em pleno “Marienfeld”, ao não poder estar presente na corrida da Nazaré, vos tive nas minhas orações, acredito que foram ouvidas! Bem, pelos vistos não para essa corrida, que as coisas não correram assim tão bem…Mas para o resto da temporada!!!! Fui eu!!!!). Agora estou a brincar, claro!


Ao longo destes anos, é com alegria que tenho vindo a assistir ao crescimento do Grupo, de todos os elementos, não só dentro, como fora de praça! Porque esse crescimento deverá ficar para toda a vida…Para mim, um forcado nunca deixa de ser forcado, porque, a meu ver, é uma forma de estar na vida! E mais do que os toiros pegados, a partilha, os valores que se foram enraizando e as vivências (que nestas circunstâncias ganham uma dimensão gigante), são o que de melhor se pode guardar…Isto, na minha opinião, claro!


É sempre um prazer partilhar a paixão pelos toiros, sobretudo quando, simultaneamente, nos é dada a alegria de aplaudir de pé um amigo pela forma como vive essa paixão! (Óscar, esta é para ti!)


Bem, o que começou com um impulso de querer partilhar convosco o que aquelas palavras me fizeram sentir acabou por se tornar num testamento!!!!! Desculpem!!


Haverá, concerteza, outras oportunidades de o desejar, mas, desde já, SORTE para a próxima temporada!!


Que a jaqueta de ramagens vos traga as maiores alegrias!...


Ana Cunha

publicado por cid às 13:59

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres